Certos Detalhes

27 de mai de 2010 |

Chega a ser difícil até de contar quantas noites em claro eu não dormi, tive medo de nunca encontrar. Tirei a sorte grande quando te conheci.
Eu te conheci na internet ainda, lembra? A gente se via na escola, mas nunca falava 'oi' um pro outro por causa da vergonha e eu achava isso engraçado. Eu sentia algo por você, não tão intenso quanto agora, e eu acreditava que um dia poderia te chamar de 'meu' e seis meses depois esse dia chegou. Eu me sentia feliz, me sentia completa por ter alguém tão perfeito pra mim, só pra mim. Você era fofo comigo, atencioso, preocupado, não desgrudava de mim e deixou seus amigos por minha causa, pra me dar toda a atenção do mundo, e eu achava isso ridículo já que eu não sentia vontade de fazer o mesmo por você, mas com o tempo eu fui percebendo que eu precisava de você muito mais do que eu imaginava, muito mais do que eu precisei de alguém, e que só você me fazia sentir como única. As coisas mudaram e três meses que nós estavamos juntos algo aconteceu, e mudou as coisas radicalmente, eu não me arrependo de nada do que eu fiz porque foi maravilhoso e eu gosto de lembrar desse dia porque é engraçado e ficou marcado em mim de um jeito que você nem imagina. Foi o primeiro natal que eu precisei me preocupar com o presente de alguém e fiquei igual louca procurando algo que você gostasse, e eu acho que achei. Foi o primeiro ano novo que eu passei na janela olhando pro céu pensando no que você estaria fazendo, se você estaria pensando em mim da mesma forma em que eu pensava em você o tempo todo. E você ficou vários dias longe de mim e eu nunca vou esquecer do sorriso bobo que você deu pra mim assim que me viu parada no portão da sua casa, um sorriso seguido de um abraço apertado e gostoso cheio de saudade. Tudo me lembra você, desde uma música até um lugar. Eu lembro do primeiro abraço, do primeiro selinho, do primeiro beijo, da nossa primeira vez, da nossa primeira briga, da nossa primeira reconciliação, do nosso primeiro filme no cinema, do nosso primeiro show juntos, da primeira e única rosa branca que você me deu, e de todas as outras coisas que se eu resolver citar vou ficar aqui até amanhã.
O nosso namoro nunca foi um mar de rosas, mas sempre ficou cara a cara com a perfeição, e agora eu sinto falta de certos detalhes. Eu sinto falta de como eu era, de como você era, de como o nosso namoro era. Eu sinto falta dos carinhos, de ficar abraçada com você, de ter sua atenção só pra mim o tempo todo, Quero deixar bem claro que você me acostumou assim, de te beijar daquele jeito carinhoso e calmo, de ouvir 'Eu te amo' o tempo todo. Resumindo: Eu sinto falta do mel que havia entre a gente. Eu já te falei que não tenho muito o direito de te cobrar sobre isso, mas eu só queria que você soubesse que eu sinto falta e não é só hoje. Meu desanimo é por causa disso, meu silêncio, minha 'cara de cu', mas eu não falo nada porque eu sou boba. Eu odeio os seus amigos e você tá agindo igual a eles, isso é decepcionante pra mim, já que você sempre foi diferente deles. Eu tenho medo do que possa acontecer, porque eu to ficando cansada disso e você não percebe.
Eu te amo de um tanto que você não faz idéia, e hoje na sala eu chorei e desabafei litros com a Tati, e eu precisava desabafar aqui já que não tenho coragem o suficiente de dizer essas coisas olhando pra você. Bianca covarde, eu sei. Eu não quero te perder, mas não quero sofrer, algumas coisas fazem mal pra mim.
Amanhã a gente faz nove meses juntos e eu sinto orgulho da gente, por sermos fortes e conseguirmos enfrentar todas as coisas que já aconteceram e que estão acontecendo. A minha vontade é que esse nove meses vire nove anos, noventa anos, novecentos anos e por aí vai...
Eu não sei ficar sem você, eu preciso de você e sinto que eu to perdendo você aos poucos e você ta me perdendo aos poucos. Eu peço por favor, pra que você não deixe isso acontecer porque se isso acontecer não sei o que faço. Não quero que a gente acabe como André e Giovanna. Eu quero que a gente acabe como aqueles casais de velhinhos que andam na rua de mãos dadas e que sentam no banco da praça pra relembrar os velhos e bons momentos.
E não diga que eu to sendo dramática.
Eu te amo tá? E o meu amor cresce cada vez mais, embora eu sofra calada por certos detalhes, não quero que duvide nunca disso! O que eu sinto é pra sempre e ninguém vai tirar isso de mim.


Beijos, Bia.

2 comentários:

Anônimo disse...

Força que vai dar tudo certo! :D
boa sorte *-*
e nao, vc nao é covarde, mas mtas vezes falar cara-a-cara é pior, pq acabamos sem falar tudo que realmente sentimos! as expressoes da pessoa e pensar no que ela deve estar pensando com tudo aquilo que estamos dizendo trava geralz!!!
fica tranquila q vai dar tdo certo! ;D

bjss

ps: amor que é amor, nao acaba por detalhes, o dialogo sempre da certo!

Meninas veneno disse...

*o*